De Fora Adentro- A Cidade e seus Sentidos

To play, press and hold the enter key. To stop, release the enter key.

press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
press to zoom
De Fora Adentro-  Uma experiência de pertencimento afetuoso, entorpecido, aéreo e enraizado com o mundo

Estamos no Projeto De fora adentro. Quer-se sobrevoar nosso lugar para melhor se aterrissar nele. Quer-se distanciar, afastar-se de compreensões fragmentadas. Quer-se experimentar algumas sensações que Bachelard (1958) nomeia como de entorpecimento, de vertigem, de elasticidade, ingravidez e leveza com o mundo e com as relações que nele

se instauram.

Um visitante entra em De fora adentro e eu pergunto:

- Como o senhor se sente ao caminhar sobre a imagem?

-“Isso aqui é como se você estivesse num helicóptero procurando saber onde é...Sinto-me perdido sobre a cidade de Natal e a região metropolitana”.

Criemos asas em nossos tornozelos. Teçamos nossos tapetes voadores. “Tudo nos leva em direção as alturas, para a luz, para o céu, já que voamos intimamente, já que há vôo em nós.”. Criemos nossas asas assim como muitas outras pessoas criaram em tantos outros tempos e em tantos outros lugares. Refiro-me especificamente aos infinitos potenciais oferecidos por meio da imaginação dinâmica aérea, os quais Bachelard desenvolve para fundamentar alguns de seus pensamentos e intuições.

Ao perguntar aos visitantes da Mostra como se sentiam ao caminhar sobre a imagem ampliada, algumas pessoas se mostram maravilhadas ao se sentirem gigantes.